Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, durante reunião no Palácio de Miraflores, em Caracas 25/08/2017 Palácio de Miraflores/Divulgação

(reuters_tickers)

CARACAS (Reuters) - A Venezuela acusou a França nesta quarta-feira de se unir a uma campanha "imperialista" depois que o presidente francês, Emmanuel Macron, retratou o muito criticado governo socialista como ditatorial.

Somando-se às críticas de Washington, da Organização das Nações Unidas (ONU) e de grandes nações latino-americanas, na terça-feira Macron qualificou o governo do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, como "uma ditadura tentando sobreviver ao custo de um drama humanitário inédito".

Muitos países estão revoltados com o fato de Caracas ter anulado o Congresso de maioria opositora, reprimido protestos, prendido centenas de adversários e barrado a entrada de uma ajuda humanitária que amenizaria a crise econômica grave da nação.

Autoridades dizem que líderes opositores locais querem depor Maduro em um golpe com apoio dos Estados Unidos, mas que sua nova Assembleia Constituinte garantirá a paz.

"Comentários como este são um ataque às instituições venezuelanas e parecem formar parte da obsessão imperialista permanente de atacar nosso povo", disse o governo em um comunicado respondendo a Macron.

"As afirmações do chefe de Estado francês mostram uma profunda falta de conhecimento sobre a realidade da Venezuela, cujo povo vive em completa paz", disse o comunicado.

O texto acrescentou que a Constituinte e as próximas eleições estaduais demonstraram a saúde da democracia local.

Líderes da fragmentada coalizão oposicionista boicotaram a eleição da Constituinte em 30 de julho, classificando-a como uma afronta à democracia.

Eles pedem uma eleição presidencial antecipada que Maduro provavelmente perderia, já que sua popularidade despencou juntamente com a economia, assolada por uma inflação de três dígitos e pela escassez de alimentos.

Macron serviu no governo socialista do ex-presidente francês François Hollande, mas o ex-banqueiro de investimentos prometeu reformular o sistema no qual surgiu.

(Por Andrew Cawthorne em Caracas e Sudip Kar-Gupta em Paris)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters