Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, durante evento em Barcelona, Espanha 15/10/2017 REUTERS/Ivan Alvarado

(reuters_tickers)

PARIS (Reuters) - Catalães da França têm uma casa de campo com piscina e outros abrigos prontos caso Carles Puigdemont e outros líderes da região espanhola da Catalunha precisem se refugiar.

Embora a ideia de os líderes catalães fugirem da Espanha e criarem redes clandestinas no exterior ainda pareça remota, apoiadores franceses da independência catalã não estão correndo riscos. Eles dizem ter 52 casas e apartamentos disponíveis na fronteira com a Espanha.

"Está tudo pronto. Temos a logística para acomodar cerca de 200 pessoas por enquanto, e mais se necessário", disse Robert Casanovas, ativista e diretor do Comitê de Autodeterminação da Catalunha do Norte -- a área catalã francesa.

"Nosso objetivo é estarmos prontos se emitirem mandados de prisão contra membros do governo catalão, e em particular seu presidente", disse ele em uma entrevista por telefone.

O governo espanhol ameaça impor um controle direto sobre a Catalunha, região com língua e cultura próprias que realizou um referendo de independência em 1º de outubro que tribunais espanhóis declararam ilegal.

Milhares de falantes de catalão moram na fronteira com a França, principalmente na região do leste dos Pireneus, ao longo do litoral do Mediterrâneo, um território cedido pela Espanha à França no século 17.

No final dos anos 1930, autoridades catalãs de primeiro escalão buscaram refúgio do ditador militar espanhol Francisco Franco em solo francês.

Puigdemont e seu governo conclamaram desobediência civil em desafio à possível instauração de um controle direto, mas não debateram um exílio em público.

(Por Ingrid Melander; Reportagem adicional de Julien Toyer em Madri)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters