Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Estudantes vestem bandeira da Catalunha em protesto favorável a referendo de independência da região da Espanha 28/09/2017 REUTERS/Jon Nazca

(reuters_tickers)

Por Sam Edwards

BARCELONA (Reuters) - Apoiadores da independência catalã começaram a ocupar as seções de votação nesta sexta-feira, estabelecendo um possível confronto com a polícia, que foi orientada a dispersá-los para que um referendo não aconteça no domingo.

O governo central, que enviou milhares de reforços policiais para impedir que as pessoas votem e tentou desmantelar a infraestrutura necessária para realizar o referendo que considera ilegal, insistiu que a consulta não seguiria em frente.

No entanto, o líder catalão Carles Puigdemont disse à Reuters: "Tudo está preparado nas mais de 2 mil seções eleitorais, então elas têm urnas e cédulas, e têm tudo que as pessoas precisam para expressar sua opinião".

Bandas tocavam em uma manifestação de encerramento da campanha para o referendo em Barcelona, ​​onde as pessoas colocaram o slogan "Referendo é democracia" em grandes letras brancas em um palco diante de uma multidão animada, muitas com a bandeira catalã vermelha e amarela.

Pessoas se preparavam para acampar em postos de votação para desafiar as ordens judiciais para fechá-las. Em uma escola de Barcelona, ​​Hector, de 43 anos, disse que cinco ou seis famílias passariam a noite no local.

"Queremos garantir que a escola esteja aberta para as atividades, e, à noite, quando eles vierem nos dispersar, ou esvaziá-la, haverá famílias para dormir ou pessoas na rua", disse ele, acrescentando que planejavam jogar ping-pong e cozinhar um prato de marisco fideuá no sábado.

De acordo com os organizadores, 60 mil pessoas se inscreveram para participar do que, segundo eles, irá mostrar uma "resistência pacífica".

O chefe da polícia regional catalã ordenou que os oficiais esvaziem e fechem as seções de voto até as 6h do domingo, antes da abertura da votação, às 9h.

Em um memorando interno publicado pelo jornal La Vanguardia, o chefe da polícia disse que a força deve ser usada apenas como último recurso.

"Em todos os momentos, antes de usar a força, você deve levar em conta quais as consequências dessa ação policial e evitar a escalada desta situação, especialmente quando há crianças, idosos ou outras pessoas vulneráveis ​​entre a multidão", informou o documento, cuja autenticidade foi confirmada por uma porta-voz da polícia.

Centenas de milhares de catalães foram às ruas nas últimas semanas para protestar contra a campanha de Madri para suprimir a votação. A polícia confiscou milhares de cédulas, e as cortes multaram e ameaçaram prender autoridades regionais.

Como sinal de que grandes multidões devem voltar a tomar as ruas no domingo, a rede de lojas El Corte Inglés disse que fechará três unidades no centro de Barcelona. O governo central informou que o espaço aéreo sobre a cidade será parcialmente restringido.

Puigdemont pediu à polícia que não se comporte de maneira "política" quando cumprir suas funções no dia da votação.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters