Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Líder da Catalunha, Carles Puigdemont, durante anúncio de referendo sobre separação da região da Espanha, em Barcelona. 09/06/2017 REUTERS/Albert Gea

(reuters_tickers)

Por Sonya Dowsett

BARCELONA (Reuters) - A Catalunha vai realizar um referendo sobre sua separação da Espanha no dia 1º de outubro, informou o líder da região nesta sexta-feira, preparando o palco para meses de confronto com o governo central espanhol que argumenta que uma votação deste tipo é ilegal e não deve acontecer.

Desafios separatistas anteriores da Catalunha --uma região rica e populosa cuja capital é Barcelona e que tem seu próprio idioma-- foram bloqueados pelo governo conservador da Espanha e pela Corte Constitucional.

"A pergunta será: Você quer que a Catalunha se torne um Estado independente na forma de uma República?", disse Carles Puigdemont, presidente do governo da Catalunha.

Puigdemont disse que tentativas de acordar uma data e o texto da pergunta com o governo de Madri --que é veementemente oposto a permitir a separação da Catalunha da Espanha-- fracassaram e o forçaram a agir de forma unilateral.

"Nós temos sempre feito ofertas bem diversas e todas elas têm sido rejeitadas sem nenhuma exceção", disse.

Sob o Artigo 155 da Constituição da Espanha, Madri tem o poder de intervir diretamente no mandato do governo regional da Catalunha, o forçando a abandonar a votação.

Isso pode envolver enviar a polícia para a região ou suspender a autoridade do governo regional.

A ação é vista amplamente como uma última opção, e muitos analistas acreditam que em vez disso o confronto vai resultar em eleições regionais na Catalunha.

(Reportagem adicional de Raquel Castillo em Madri)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters