Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Emmanuel Macron durante evento na cidade francesa de Lille. 14/01/2017 REUTERS/Pascal Rossignol/File Photo

(reuters_tickers)

PARIS (Reuters) - O candidato independente Emmanuel Macron, de centro, é o mais provável vencedor da acirrada eleição presidencial francesa deste ano, de acordo com projeções de uma pesquisa de opinião publicada nesta quarta-feira, enquanto seu rival conservador François Fillon sofre as consequência de um escândalo.

A pesquisa do instituto Elabe para o jornal Les Echos, realizada em 30 e 31 de janeiro, mostrou um aumento nas intenções de votos tanto para Macron como para a líder da Frente Nacional, Marine Le Pen, da extrema-direita. Fillon, candidato conservador pelos Republicanos e favorito à vitória até semana passada, não chegaria ao segundo turno.

O Elabe tinha dois cenários de votação que variavam de acordo com permanência de outros candidatos.

As intenções de voto no primeiro turno para Macron não mudaram ou subiram um ponto percentual, para 22-23 por cento, dependendo do cenário. O resultado de Le Pen no primeiro turno subiu 3 pontos, para 26-27 por cento.

O resultado de Fillon caiu para entre 5 e 6 pontos, para 19-20 por cento. A pesquisa foi conduzida dias após o surgimento de uma denúncia segundo a qual a esposa de Fillon recebeu dinheiro público para trabalhos falsos, o que abalou a campanha presidencial do conservador. Esses resultados eliminariam Fillon do segundo turno.

Segundo a pesquisa, Macron venceria Le Pen no segundo turno em 7 de maio, com 65 por cento dos votos. Caso Fillon chegue ao segundo turno, ele também venceria Le Pen, mas por uma margem menor, com 59 por cento, segundo a pesquisa.

(Reportagem de Andrew Callus)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters