Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Ellen Francis

BEIRUTE (Reuters) - Um cessar-fogo entrou em vigor no domingo em um enclave do Estado Islâmico que se estende pela fronteira entre Síria e Líbano, onde militantes têm lutado contra o exército libanês em uma frente e contra o Hezbollah e tropas sírias em outra.

O exército libanês anunciou que um cessar-fogo em sua própria ofensiva entrou em vigor às 7h (1h no horário de Brasília), mas não mencionou o lado sírio da fronteira.

O Hezbollah e o exército sírio declararam um cessar-fogo em seu ataque contra o Estado Islâmico na região de Qalamoun, a oeste da Síria, disse a TV al-Manar, do Hezbollah.

A batalha começou há uma semana, quando o exército libanês e o Hezbollah junto com forças governamentais da Síria lançaram ataques separados, mas simultâneos.

Ambas as ofensivas avançaram em direção à fronteira a partir de lados opostos. O Líbano e o Hezbollah xiita afirmaram terem feito conquistas contra os militantes, enviando-os de volta para uma zona menor nas montanhas áridas da fronteira.

O enclave do Estado Islâmico nas montanhas marca a última base militante ao longo da fronteira entre Síria e Líbano.

O nordeste do Líbano viu um dos piores efeitos da guerra síria em 2014, quando o Estado Islâmico e outros militantes invadiram brevemente a cidade fronteiriça de Arsal. O destino de soldados que o Estado Islâmico capturou então continua desconhecido.

No entanto, o chefe da agência de segurança interna do Líbano disse neste domingo que oito soldados libaneses quase que certamente estariam mortos.

O general Abbas Ibrahim afirmou que o exército havia recuperado os restos de seis soldados até agora e estava cavando em busca por outros dois, embora ainda precisasse realizar testes de DNA para confirmar as identidades.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters