Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ministro de Relações Exteriores do Irã, Javad Zarif, em Moscou, na Rússia. 14/04/2017 REUTERS/Sergei Karpukhin

(reuters_tickers)

BERLIM (Reuters) - O ministro de Relações Exteriores do Irã, Javad Zarif, disse nesta terça-feira ser lamentável que a Suprema Corte dos Estados Unidos tenha restabelecido parcialmente a restrição de viagens aos EUA imposta sobre cidadãos de seis países de maioria muçulmana, e acrescentou que a decisão pode estimular o extremismo na região.

"Nós sempre acreditamos que a restrição de muçulmanos que o presidente Trump impôs logo após assumir o governo não tinha nenhuma base em fatos e não ajudaria a combater o terrorismo", disse Zarif, chamando a decisão de "o maior presente" para grupos militantes buscando novos recrutas.

Zarif não mencionou a Arábia Saudita especificamente, mas disse que a restrição de viagens pune pessoas que nunca foram condenadas por um ato terrorista, enquanto pessoas de outros países envolvidos em ataques passados não foram afetadas.

"Para alguns, o terrorismo e o apoio ao terrorismo são medidos pela quantidade de armas que compram dos Estados Unidos e não por realmente estar envolvido em atos de terrorismo", disse Zarif, em uma aparente referência a recente aprovação da venda de 110 bilhões de dólares em armas para a Arábia Saudita, cujos cidadãos não são afetados pela restrição de viagens.

(Reportagem de Andrea Shalal)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters