Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Destroier USS John S. McCain após colisão 21/8/2017 REUTERS/Ahmad Masood

(reuters_tickers)

Por Mike Stone

(Reuters) - Não há indicações de que a colisão entre um navio da Marinha dos Estados Unidos e um petroleiro próximo a Cingapura nesta segunda-feira foi intencional, disse nesta segunda-feira o chefe de operações navais da Marinha dos EUA, almirante John Richardson, a repórteres no Pentágono.

Dez marinheiros norte-americanos estão desaparecidos após uma colisão entre o destroier USS McCain e o petroleiro, na segunda colisão envolvendo um navio de guerra dos EUA e um navio mercante na Ásia em cerca de dois meses, desencadeando uma ampla investigação de operações e treinamentos em toda a frota.

Richardson disse que “nós não temos indicações” de que a colisão foi intencional. Ele acrescentou que a Marinha irá analisar “todas as possibilidades”, de treinamentos a possíveis bloqueios de radar e interferência cibernética.

Richardson disse que está pedindo para comandantes da frota implementarem uma “pausa operacional” de um a dois dias de forma escalonada pelo mundo para garantir operações seguras e eficazes.

Richardson avalia que a pausa pode começar dentro de uma semana, mas disse que irá deixar as especificações para comandantes da frota.

O acidente no início desta segunda-feira seguiu um de junho, quando o destroier de mísseis guiados USS Fitzgerald colidiu com um cargueiro em águas japonesas, matando sete marinheiros.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters