Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Secretário-geral da ONU, António Guterres, durante pronunciamento na Assembleia Geral, em Nova York 19/09/2017 REUTERS/Lucas Jackson

(reuters_tickers)

NAÇÕES UNIDAS (Reuters) - O secretário-geral da ONU, António Guterres, fez um apelo nesta terça-feira para que se evite uma guerra com a Coreia do Norte, e criticou líderes globais que estão alimentando ressentimentos sobre refugiados em busca de ganho político, em duas aparentes referências ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Em seu primeiro pronunciamento na reunião anual de líderes globais da Assembleia Geral da ONU, composta por 193 países, no cargo, Guterres disse que a crise da Coreia do Norte precisa ser resolvida através do processo político.

"Essa é a hora para estadismo", disse o ex-primeiro-ministro de Portugal. "Nós não podemos caminhar passivamente para um guerra".

Com a escalada de tensões devido aos contínuos testes nucleares e de mísseis balísticos da Coreia do Norte, que tem como objetivo desenvolver a capacidade de atingir os Estados Unidos com um poderoso míssil nuclear, Trump já fez alertas sobre possível ação militar norte-americana.

O Conselho de Segurança da ONU impôs por unanimidade nove rodadas de sanções contra Pyongyang desde 2006, e Guterres fez um apelo para que os 15 membros do órgão mantenham sua unidade no tratamento da Coreia do Norte.

Guterres, ex-chefe da agência de refugiados da ONU, também falou sobre estar "sofrendo ao ver a maneira como refugiados e imigrantes têm sido estereotipados e transformados em bodes expiatórios -- e ao ver "figuras políticas alimentando ressentimento em busca de ganho eleitoral".

(Reportagem de Michelle Nichols)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters