Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

MOSCOU (Reuters) - O chefe da poderosa agência de inteligência militar da Rússia disse na quinta-feira que a Geórgia pode atacar de novo a Ossétia do Sul, a região pró-Moscou pela qual os dois países lutaram no ano passado.
Alexander Shlyakhturov, que em abril assumiu o comando do GRU --acrônimo russo para Agência Chefe de Inteligência da Rússia-- disse que a situação era hostil e acusou a Otan de continuar a fornecer armas para a Geórgia.
"A situação com a Geórgia continua tensa porque as atuais autoridades georgianas não apenas se recusam a reconhecer a soberania da Abkházia e da Ossétia do Sul, mas tentam de todo modo recuperar a jurisdição sobre esses países", disse em uma rara entrevista para a agência estatal de notícias ITAR-TASS.
"É preciso adicionar a isso as tentativas imprevisíveis da liderança georgiana, chefiada pelo (presidente Mikheil) Saakashvili, que pode ceder à tentação de usar a força para domar essas repúblicas obstinadas, como fez no ano passado", disse. "Não descartamos essa possibilidade."
A Ossétia do Sul e a Abkházia romperam com o governo da Geórgia no início dos anos 1990. A Rússia reconheceu ambos como Estados independentes depois da guerra de cinco dias no ano passado, quando repeliu um ataque georgiano na Ossétia do Sul.
Mas apenas outros dois países, Nicarágua e Venezuela, seguiram o exemplo russo, e o resto do mundo continua a ver as duas regiões como partes da Geórgia.
Shlyakhturov disse que os "novos membros da Otan" no leste europeu estavam fornecendo armas e munição para a Geórgia, enquanto Israel providenciava aviões e a Ucrânia, artilharia pesada e sistemas de defesa aérea.
O GRU é a maior agência de espionagem da Rússia, com agentes espalhados em todo o mundo e milhares de tropas das forças especiais dentro da Rússia. O serviço de espionagem, criado em 1918 sob o líder revolucionário Leon Trotsky, é controlado pelos militares e se reportar diretamente ao presidente.

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters