Navigation

Chile inicia vacinação com imunizante da Pfizer-BioNTech

Este conteúdo foi publicado em 24. dezembro 2020 - 18:01

SANTIAGO (Reuters) - O Chile começou na quinta-feira a administrar as primeiras doses da vacina contra Covid-19 da Pfizer-BioNTech a profissionais de saúde e espera avançar rapidamente sua campanha de inoculação contra o vírus, que levou a mais de 16.000 mortes no país sul-americano. 

Num voo procedente da Bélgica e sob medidas rígidas para mantê-las na baixa temperatura, as caixinhas com as primeiras 10.000 doses foram levadas a Santiago para dar início imediato à campanha em três hospitais, que depois seguirá para outras regiões do país. 

Outra remessa de 10.000 vacinas chegará na próxima semana. 

O ministro da Saúde, Enrique Paris, explicou que serão recebidas 240 mil doses em janeiro e um número maior em fevereiro, até completar as 10 milhões de doses contratadas com a farmacêutica. 

Em meio a uma transmissão amplamente divulgada pela mídia local, uma funcionária de um hospital público foi escolhida para tomar a primeira vacina. 

“Eu entendo que as pessoas ficam desconfiadas, é uma coisa nova; mas se vacine enquanto pode, o mais rápido possível e continue se cuidando”, disse a técnica de enfermagem Zulema Riquelme, de 46 anos, após receber a dose. 

O Chile está entre os países latino-americanos com mais acordos para obtenção de vacinas de diversos laboratórios, incluindo Sinovac e AstraZeneca, além de participar do acordo global Covax. 

O Chile junto com o México foram os primeiros países da região a iniciar as inoculações. A Costa Rica também recebeu doses da Pfizer, enquanto o primeiro lote da russa Sputnik já chegou à Argentina. 

(Reportagem de Fabián Andrés Cambero e Natalia Ramos) 

Partilhar este artigo