Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

SANTIAGO (Reuters) - A presidente do Chile, Michelle Bachelet, revelou nesta quinta-feira planos de investimentos públicos e privados de quase 28 bilhões de dólares em projetos de infraestrutura nos próximos oito anos, aumentando os gastos com obras públicas em um ponto percentual do Produto Interno Bruto (PIB).

Somente cerca de um quarto dos quase 90 mil quilômetros de estradas do país andino são pavimentadas, muito menos que a média de 79 por cento das nações-membro da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que inclui o Chile.

Bachelet afirmou que o plano “aborda os desafios que enfrentamos em termos de infraestrutura pública no curto e no longo prazos… não podemos deixar esta oportunidade passar, porque só vamos nos tornar desenvolvidos se investirmos pesada e continuamente em infraestrutura pública”.

O plano engloba duas áreas principais de investimento, incluindo estimados 18 bilhões de dólares até 2021 para melhorar a infraestrutura das estradas nos extremos norte e sul do país, construir represas, pavimentar estradas rurais e modernizar portos e campos de pouso, e ainda contempla investimentos de 9,9 bilhões de dólares até 2020 em estradas operadas por concessionárias.

Várias empresas estrangeiras, como a espanhola Abertis, são proprietárias e operadoras das principais estradas com pedágios do Chile.

Com os investimentos planejados, o Chile irá elevar seus gastos com infraestrutura de 2,5 para 3,5 por cento do PIB, disse Bachelet, que almeja uma bateria de reformas para reduzir os altos níveis de disparidade de renda em seu segundo mandato.

(Por Anthony Esposito)

Reuters