Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Sala de conferência usada para reuniões entre comandantes militares da China e da Índia, na fronteira entre os dois países 11/11/2009 REUTERS/Adnan Abidi/Files

(reuters_tickers)

Por Ben Blanchard

PEQUIM (Reuters) - O Ministério das Relações Exteriores da China afirmou que a Índia está mobilizando mais tropas e consertando estradas ao longo de seu lado da fronteira em meio a um impasse cada vez mais tenso em uma região fronteiriça remota ao lado do reino himalaio do Butão.

O impasse em um planalto próximo do Estado indiano montanhoso de Sikkim, que faz divisa com a China, aumentou a tensão entre os dois vizinhos, que compartilham uma fronteira de 3.500 quilômetros, da qual grande parte é alvo de disputas.

"Já faz mais de um mês desde o incidente, e a Índia não só ainda está permanecendo ilegalmente em território chinês, também está consertando estradas na retaguarda, armazenando suprimentos, reunindo um grande número de efetivos armados", disse a chancelaria em um comunicado.

"Isto certamente não é para a paz".

A Índia negou tal reforço militar e, em um comunicado enviado ao Parlamento na noite de quinta-feira, a chanceler Sushma Swaraj exortou o diálogo baseado em um entendimento comum por escrito relativo à intersecção de fronteira firmado em 2012.

"A Índia sempre acredita que a paz e a tranquilidade na fronteira Índia-China é um pré-requisito importante para o desenvolvimento sereno de nossas relações bilaterais", afirmou Swaraj, de acordo com uma transcrição de seus comentários divulgada por seu gabinete.

"Continuaremos a nos engajar com o lado chinês por meio de canais diplomáticos para encontrar uma solução mutuamente aceitável".

No início de junho, segundo a interpretação chinesa dos acontecimentos, guardas indianos cruzaram para a região chinesa de Donglang e obstruíram o trabalho em uma estrada do planalto.

Depois disso, soldados dos dois lados se confrontaram perto de um vale controlado pela China que separa a Índia do Butão, seu aliado próximo, e dá acesso à China ao chamado Pescoço de Galinha, uma faixa estreita de terra que liga a Índia e suas regiões remotas do nordeste.

A Índia disse ter alertado a China que a construção da estrada perto de sua fronteira comum causaria sérias implicações de segurança.

(Reportagem adicional de Douglas Busvine em Nova Délhi)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters