Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, durante evento em Pequim. 05/12/2016 REUTERS/Greg Baker/Pool

(reuters_tickers)

PEQUIM (Reuters) - A China quer dialogar com o novo governo norte-americano para administrar disputas e promover relações bilaterais, mas tendo como base o respeito aos interesses fundamentais de cada país, como o princípio da "China única", disse o ministro chinês de Relações Exteriores.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, irritou Pequim antes mesmo de assumir a Presidência ao lançar dúvidas quanto ao princípio da "China única", sob o qual Washington reconhece a posição de soberania de Pequim sobre Taiwan.

A China vê Taiwan como uma província desobediente, que deve ser controlada a força se necessário. No entanto, Taiwan não demonstra interesse em ser governada por Pequim.

Falando em evento antes do Ano Novo Lunar chinês, o ministro Wang Yi disse que a direção dos laços futuros entre a China e os EUA "chamaram atenção".

"Estamos dispostos, com base no cumprimento do princípio da 'China única' e respeito aos interesses principais de cada, a dialogar com o novo governo dos EUA", disse Wang, em comentários publicados na terça-feira no site do ministério.

A China deseja "aumentar a confiança mútua, focar em cooperação, lidar e controlar disputas e promover o desenvolvimento saudável das relações China-EUA, para levar benefícios ainda maiores a ambos povos", acrescentou.

(Reportagem de Ben Blanchard)

Reuters