Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

PEQUIM (Reuters) - A China acusou na segunda-feira uma comissão norte-americana de distorcer um relatório segundo o qual o governo chinês está cada vez mais invadindo sistemas de computadores dos EUA para obter dados úteis a seus militares.
A Comissão EUA-China de Revisão Econômica e de Segurança disse em seu relatório anual ao Congresso norte-americano, na semana passada, que Pequim havia ampliado suas preocupações de segurança para além de temas regionais, como Taiwan, e era o país mais empenhado em espionar os EUA, especialmente na busca de dados que pudessem ajudar sua modernização militar e seu desenvolvimento econômico.
O texto de 367 páginas foi preparado por uma comissão bipartidária de 12 membros criada em 2000 pelo Congresso para analisar as implicações do crescente comércio dos EUA com a China.
"Este relatório desconsidera os fatos, está cheio de distorções e tem motivos ulteriores", disse o porta-voz Qin Gang numa breve nota divulgada pela chancelaria chinesa, menos de uma semana depois de o presidente dos EUA, Barack Obama, concluir sua primeira visita oficial à China.
"Aconselhamos a chamada comissão a nem sempre olhar a China por meio de lentes tingidas, a parar de interferir nas políticas internas da China e a danificar os laços sino-americanos", acrescentou Qin.
(Reportagem de Ben Blanchard)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters