Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Bandeira da Coreia do Norte, em embaixada em Pequim, na China 06/01/2016 REUTERS/Kim Kyung-Hoon

(reuters_tickers)

PEQUIM (Reuters) - A China disse nesta quarta-feira que a questão nuclear da Coreia do Norte deveria ser resolvida através do diálogo, e que os meios militares não são uma opção, depois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, alertou Pyongyang que qualquer opção militar dos EUA seria "devastadora" para o país asiático.

Declarações beligerantes de Trump e do líder norte-coreano, Kim Jong Un, nas últimas semanas despertaram temores de que um erro de cálculo provoque ações com repercussões inimagináveis, especialmente depois que o regime realizou seu sexto e maior teste nuclear no dia 3 de setembro.

Em um boletim diário à imprensa, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Lu Kang, reiterou que seu país sempre defendeu a meta da desnuclearização da Península Coreana e a proteção do sistema internacional de não-proliferação nuclear.

"Ao mesmo tempo, somos determinados no trabalho pela proteção da paz e da estabilidade da península e na defesa de uma resolução pacífica para a questão nuclear por meio do diálogo e da consulta", disse Lu.

"Sempre acreditamos que os meios militares não deveriam ser uma opção para resolver a questão nuclear na península. Porque armas não conseguem resolver as diferenças e só podem causar um desastre maior. Nenhum lado pode aceitá-lo", acrescentou.

"Esperamos que todos os lados consigam evitar palavras e ações que intensifiquem o problema e possam fazer a situação continuar a escalar."

A Coreia do Norte terá destaque na pauta quando o secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, visitar a China no final desta semana.

(Por Ben Blanchard)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters