Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente da China, Xi Jinpin, e presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante fórum em Pequim. 15/05/2017 REUTERS/Roman Pilipey

(reuters_tickers)

PEQUIM (Reuters) - O presidente da China, Xi Jinping, partiu para uma visita à Rússia nesta segunda-feira enfatizando a ameaça séria que o sistema antimísseis dos Estados Unidos na Coreia do Sul representa para os interesses chineses e russos.

A China vem afirmando repetidamente sua oposição ao sistema antimísseis Thaad e pediu que sua instalação seja interrompida e que os mísseis já posicionados sejam removidos.

Pequim diz que o poderoso radar do sistema pode penetrar fundo em seu território, minando sua segurança e o equilíbrio regional sem fazer nada para deter a Coreia do Norte em sua busca incansável por armas nucleares e mísseis para carregá-las.

"A instalação norte-americana de um sistema antimísseis avançado na Coreia do Sul prejudica seriamente os interesses de segurança estratégica de China, Rússia e outros países da região", disse Xi, segundo a agência de notícias estatal chinesa Xinhua.

Os EUA e Seul afirmam que o Thaad só objetiva defender a Coreia do Sul de seu vizinho do norte.

China e Rússia vêm mantendo uma comunicação e uma coordenação estreitas sobre a questão e possuem visões muito semelhantes a seu respeito, disse Xi em uma entrevista à mídia russa.

"Pequim e Moscou são resolutamente opostas à montagem do Thaad e sugerem seriamente que os países relevantes interrompam e cancelem sua instalação", afirmou Xi, segundo a Xinhua.

China e Rússia irão adotar as "medidas necessárias", seja juntas ou separadamente, para proteger seus interesses, disse Xi, sem dar detalhes, de acordo a Xinhua.

(Por Christian Shepherd)

Reuters