Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

PEQUIM (Reuters) - A China executou duas pessoas nesta terça-feira por suas participações em um escândalo de leite contaminado que matou pelo menos seis crianças e manchou a marca chinesa.
Aproximadamente 300 mil crianças adoeceram no ano passado depois de beber leite intencionalmente misturado com melamina, um composto industrial tóxico que pode apresentar resultado positivo falso para teste de proteína, vendido principalmente pelo falido Sanlu Group.
Um total de 21 executivos do Sanlu e outros funcionários foram julgados e condenados em janeiro por um tribunal da cidade de Shijiazhuang pelos seus envolvimentos no caso.
A agência oficial Xinhua, citando um comunicado do tribunal, disse que Zhang Yujun foi executado "pelo crime de causar perigo à segurança pública por meios perigosos", enquanto que Geng Jinping foi considerado culpado por produzir e vender alimento contaminado.
Ele afirma que Zhang produziu mais de 770 toneladas de pó protéico com melamina, dos quais ele vendeu 600 toneladas entre julho de 2007 e agosto de 2008.
A Xinhua acrescentou que Geng vendeu mais de 900 toneladas de leite contaminado.
Mas a mulher considerada a maior culpada pela tragédia recebeu sentença de prisão perpétua.
Muitas famílias das crianças contaminadas voltaram sua raiva para a ex-gerente-geral da Sanlu, Tian Wenhua, e afirmaram na época que se sentiram traídos por ela não ser sentenciada à morte.
Representantes da Sanlu estavam cientes do problema da melamina no início de agosto de 2008, mas o público não foi alertado até meados de setembro uma vez que a China visava manter uma imagem perfeita por conta dos Jogos Olímpicos.
(Reportagem de Ben Blanchard)

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters