Navigation

China faz apelo para que EUA descartem mentalidade da "Guerra Fria"

Bandeiras da China e dos Estados Unidos em Xangai 30/07/2019 REUTERS/Aly Song reuters_tickers
Este conteúdo foi publicado em 07. outubro 2020 - 13:20

(Reuters) - A China disse nesta quarta-feira que os Estados Unidos deveriam encerrar seus ataques e suas acusações sem justificativa contra Pequim, acusando o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, de criar um confronto político por má fé e de difamar o país.

Na terça-feira, Pompeo visitou o Japão e pediu mais colaboração de Japão, Índia e Austrália como contraposição à influência regional crescente da China.

"Pompeo fabricou mentiras contra a China repetidamente e criou um confronto político por má fé", disse a embaixada chinesa no Japão em um comunicado.

"Mais uma vez, fazemos um apelo aos EUA para abandonarem sua mentalidade da Guerra Fria e seu preconceito ideológico, para pararem com ataques e acusações sem justificativa contra a China e para tratarem as relações com a China de uma maneira construtiva", disse a embaixada.

A visita de Pompeo ao leste asiático, sua primeira em mais de um ano, coincide com o agravamento das tensões dos EUA com a China.

As duas maiores economias do mundo estão em choque em diversas áreas, desde a forma como Pequim tratou do coronavírus até a nova lei de segurança que impôs a Hong Kong e às ambições chinesas no Mar do Sul da China.

O clamor de Pompeo para que os países do grupo Quad --EUA, Japão, Índia e Austrália-- formem uma frente unida contra a influência crescente da China é um tema delicado para os parceiros dos Estados Unidos, que dependem da China no comércio.

(Por Colin Qian e Se Young Lee)

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.