Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Soldados chineses durante parada militar em Pequim. 03/09/2015 REUTERS/cnsphoto

(reuters_tickers)

PEQUIM (Reuters) - A China negou nesta quinta-feira ter aumentado sua presença militar na fronteira com a Coreia do Norte após o assassinato de Kim Jong Nam, meio irmão do líder norte-coreano, Kim Jong Un, na Malásia.

Relatos circulavam em momento de tensões elevadas na península coreana sobre a China ter enviado tropas à fronteira, o que o país sempre nega.

Autoridades sul-coreanas e norte-americanas dizem que Kim Jong Nam foi assassinado por agentes da Coreia do Norte. A Coreia do Norte não reconheceu a morte.

Alguns veículos da mídia de Hong Kong relataram na semana passada que a China enviou mais soldados à fronteira após Kim ser atacado no aeroporto de Kuala Lumpur em 13 de fevereiro.

"Sobre reportagens que mencionaram sobre o Exército de Libertação do Povo aumentar tropas na fronteira chinesa-norte-coreana, elas são totalmente sem fundamento e completamente falsas", disse o porta-voz do Ministério da Defesa, Ren Guoqiang, durante entrevista coletiva mensal.

Ele não deu mais detalhes.

Kim havia falado publicamente no passado contra o controle dinástico de sua família sobre a Coreia do Norte. Ele morava no território chinês de Macau sob proteção de Pequim.

A China é a aliada mais importante da Coreia do Norte, mas tem expressado descontentamento com os testes nucleares e de mísseis do país vizinho e assinou diversas rodadas de sanções da Organização das Nações Unidas contra a Coreia do Norte, ao mesmo tempo que busca uma resolução diplomática através de diálogos.

(Reportagem de Ben Blanchard)

Reuters