Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Michael Martina e Philip Wen

PEQUIM (Reuters) - Desafiando a pressão para um forte aumento nos gastos de defesa, a China informou no sábado que seu orçamento militar crescerá neste ano cerca de 7 por cento, seu ritmo mais lento desde 2010.

No ano passado, com a desaceleração da economia chinesa, o orçamento de defesa registrou seu menor aumento em seis anos, 7,6 por cento, o primeiro aumento de apenas um dígito desde 2010, após um período quase ininterrupto de duas décadas de aumentos de dois dígitos.

Com a administração do novo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, propondo um aumento de 10 por cento no gasto militar em 2017, e preocupações com potenciais disputas com os Estados Unidos sobre o Mar do Sul da China e o status de Taiwan, havia quem pedisse na China uma mensagem contundente por conta do orçamento de defesa deste ano.

Esta semana, o influente tablóide estatal Global Times pediu um aumento de pelo menos 10 por cento para lidar com a incerteza trazida por Trump, e um general sênior reformado disse a mídia de Hong Kong e Taiwan que seria necessário um aumento de 12 por cento para igualar o aumento dos Estados Unidos.

"Não é suficiente", disse à Reuters uma fonte ligada a altos funcionários chineses. "Muitas pessoas nas Forças Armadas não ficarão felizes com isso".

A porta-voz do Parlamento Fu Ying, que anunciou o aumento, disse que os gastos com defesa representariam cerca de 1,3 por cento do PIB, o mesmo nível dos últimos anos.

O número real para as despesas de defesa será anunciado no domingo, quando o Parlamento chinês inicia sua sessão anual.

A meta de crescimento econômico da China para 2017 deverá ser reduzida para cerca de 6,5 por cento em relação aos 6,5 a 7 por cento do ano passado, quando o primeiro-ministro Li Keqiang entregar seu relatório de trabalho ao Parlamento.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters