Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Ratnajyoti Dutta

NOVA DÉLHI (Reuters) - As fracas chuvas na Índia desde o início, no mês passado, do período das monções, cruciais para a agricultura do país, despertaram temores de uma primeira seca no país em cinco anos, embora especialistas tenham esperanças de precipitações mais fortes na semana que vem.

Poucas chuvas reduzem as exportações, causam a inflação dos alimentos e diminuem a procura por produtos, de carros a bens de consumo, enquanto que atrasam as exportações de algumas safras e aumentam a necessidade de importações.

Na semana passada, as chuvas se espalharam por áreas de cultivo de soja no centro da Índia e para regiões de cana de açúcar no norte, mas no geral estiveram 43 por cento abaixo da média sazonal, mostrou um relatório da agência climática.

Em 2009, a pior seca em quase quatro décadas forçou a Índia, maior consumidor mundial de açúcar, a comprar grandes quantidades do produto do Brasil, levando os contratos futuros na bolsa de Nova York à sua maior alta em 30 anos.

O setor agrícola responde por cerca de 14 por cento da economia indiana, de quase dois trilhões de dólares, e dois terços da população de 1,2 bilhão de pessoas vivem em áreas rurais.

“A monção parece estar mais imprevisível”, disse o novo ministro das Finanças, Arun Jaitley, ao apresentar o orçamento nesta quinta-feira.

A Índia, um dos maiores países produtores e consumidores de arroz, milho, óleo de cozinha, açúcar e algodão, depende muito das chuvas de verão, já que quase metade das suas terras cultivadas carece de irrigação.

Uma monção amena pode aumentar a importação de óleo comestível do maior comprador mundial de óleo de palma. Isso, por sua vez, pode fortalecer os preços da commodity no mercado da Malásia que despencaram mais de um décimo neste ano.

As chuvas de monção chegaram com cinco dias de atraso neste ano na costa do sul de Kerala e se disseminaram por metade da Índia quatro dias mais tarde do que a data normal de 15 de junho. Normalmente, a monção recobre o país inteiro até meados de julho.

“A região do oeste, que carece de água, deve receber boas chuvas na semana que vem, já que as condições de uma retomada se tornaram favoráveis”, disse o principal meteorologista do Ministério das Ciências da Terra, M. Rajeevan.

(Reportagem adicional de Manoj Kumar)

Reuters