Reuters internacional

Por Charlotte Greenfield e Tom Westbrook

WELLINGTON/SYDNEY (Reuters) - Ventos de ciclone e chuvas fortes atingiram a Nova Caledônia nesta segunda-feira, levando os moradores do território francês do sul do oceano Pacífico a procurar abrigo e interrompendo a mineração de níquel, principal item de exportação do local.

O ciclone Cook se abateu sobre a ilha principal quase ao mesmo tempo em que a maré alta, gerando ventos de até 200 km/h, derrubando coqueiros que bloquearam ruas e forçando os moradores a se abrigar em locais fechados.

"Neste momento estamos no olho da tempestade, está calmo, mas antes o vento estava forte e a chuva estava pesada", disse David Sigal à Reuters depois de se abrigar na prefeitura de Poindimie, cerca de 50 quilômetros ao norte de onde a tempestade tocou o solo.

Inundações e ondas de até 10 metros também foram previstas pelos meteorologistas.

"A ameaça à Nova Caledônia é muito séria", alertou o serviço de meteorologia em um alerta de ciclone.

O fenômeno chegou ao território na tarde desta segunda-feira (horário local) como uma tempestade de categoria 3, disse Virgil Cavarero, meteorologista da Meteo New Caledoni – menos intensa do que a destruidora Categoria 4 prevista anteriormente, que teria ficado um nível abaixo das velocidades de vento mais perigosas.

Mas as autoridades ampliaram o alerta de ciclone nesta segunda-feira, alertando os moradores de quase todo o arquipélago para que buscassem abrigo antes do anoitecer.

O grupo de mineração de níquel Société Le Nickel, uma subsidiária do conglomerado francês Eramet, suspendeu as atividades em suas cinco instalações de Nova Caledônia, embora as operações de fusão de minérios continuem em ritmo reduzido na capital, Nouméa, informou a empresa em um comunicado enviado por email à Reuters.

Nova Caledônia é uma das maiores fontes mundiais de níquel, e a mineração e o processamento de metais desempenham um papel central em sua economia. Os dois outros maiores produtores de níquel da localidade, a Glencore e a Vale, não estavam disponíveis de imediato para comentar.

(Reportagem adicional de James Regan, em Sydney)

Reuters

 Reuters internacional