MOGADÍSCIO (Reuters) - Um carro bomba explodiu nesta sexta-feira em um hotel na cidade portuária de Kismayu, Somália, onde autoridades e parlamentares locais discutiam uma eleição regional que se aproxima. A explosão foi seguida por tiros, disse a polícia, acrescentando que o número de mortes pode subir. 

Um grupo de jornalistas disse ter confirmado que dois repórteres estavam entre os mortos. 

O grupo militante islâmico al Shabaab, que está tentando derrubar o governo central da Somália, reivindicou a autoria do ataque. O grupo disse que seus guerrilheiros haviam adentrado um hotel após o ataque por carro bomba. 

Um policial disse que o tiroteio aconteceu uma hora e meia após a explosão. Moradores disseram que agressores ainda estavam no hotel.

"Acreditamos que os militantes ainda estejam no edifício. Ainda não confirmamos o número de mortos, mas havia muitas pessoas lá dentro e pode haver um alto número de mortos", disse o capitão de polícia Abdullahi Isak à Reuters por telefone. 

O Major Mohamed Abdi, outro oficial de polícia, disse à Reuters mais cedo que autoridades e parlamentares locais estavam se reunindo no Hotel Asasey, onde o ataque aconteceu. 

Abdiasis Abu Musab, porta-voz de operações militares do al Shabaab disse que o grupo militante estava por trás do ataque. 

"Primeiro atacamos o hotel com uma bomba suicida no carro e depois os mujahideen (guerrilheiros) atacaram o hotel. Ainda estamos lutando dentro do hotel", disse. "Há muitos corpos dentro do hotel. Estamos no controle do hotel agora". 

(Por Abdi Sheikh e Feisal Omar)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.