Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

ISTAMBUL (Reuters) - O ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton disse na segunda-feira que teria preferido ter deixado a Casa Branca em um caixão porque ele adorava ser comandante-em-chefe, mas assinalou que sua vida política acabou.
"É bom termos um limite (de mandato). Ou eu teria ficado até sair em um caixão. Ou derrotado em uma eleição", disse Clinton em uma conferência em Istambul, na Turquia. "Eu adorava o trabalho".
Clinton ficou na Presidência dos Estados Unidos por dois mandatos, o máximo possível sob a Constituição, servindo de 1993 a 2001. Sua esposa, Hillary, é hoje secretária de Estado no governo de Barack Obama, depois de perder para ele as primárias democratas, em 2008.
Bill Clinton disse que gostava de sua atual posição como presidente da Clinton Global Initiative, que levanta fundos para questões que vão do sistema de saúde e da pobreza às mudanças climáticas.
Mas a visita surpresa do ex-presidente à Coreia do Norte em agosto, para garantir a libertação de duas jornalistas norte-americanas, mostrou que ele ainda mantém considerável força diplomática --chegando mesmo a roubar a atenção de sua esposa.
"Eu adorava ser presidente, mas também gosto da minha vida atual... vou deixar a política para minha esposa e para o presidente Obama".
(Reportagem de Ayla Jean Yackley)

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters