Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, durante encontro com governadores na Casa Branca 08/06/2017 REUTERS/Yuri Gripas

(reuters_tickers)

Por David Shepardson

WASHINGTON (Reuters) - O procurador-geral do Estado de Nova York, junto com o de outros 12 Estados, disse ao governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em uma carta nesta sexta-feira, que vai organizar uma vigorosa contestação judicial a qualquer tentativa de reverter as leis de emissões de veículos nos Estados Unidos.

Em março, Trump pediu uma revisão dos padrões de eficiência de combustíveis dos veículos dos Estados Unidos de 2022 a 2025, estabelecidos pelo governo do ex-presidente Barack Obama, dizendo que as normas são muito rígidas na indústria automobilística.

Montadoras de automóveis incluindo General Motors, Ford Motor e Toyota Motor dizem que o governo de Obama não conduziu uma revisão adequada para garantir que as regras fossem viáveis.

Montadoras encontraram com autoridades do governo de Trump nos meses recentes, e esperam alcançar um acordo com a Califórnia e com outros Estados sobre os padrões de eficiência de combustível de veículos.

A Califórnia se opôs a atenuar as regras, ameaçando buscar padrões mais rígidos de maneira unilateral e pode organizar uma contestação judicial.

"À luz dos benefícios ambientais e de saúde pública críticos que os padrões vão garantir, se a EPA agir para enfraquecer ou adiar os atuais padrões para modelos dos anos 2022 a 2025, como a Califórnia, nós pretendemos buscar vigorosamente as soluções legais apropriadas para bloquear uma ação deste tipo", escreveram os promotores gerais dos Estados da Pensilvânia, Connecticut, Massachusetts, Iowa, Washington, Oregon, Rhode Island, entre outros, à Agência de Proteção Ambiental (EPA).

A EPA não comentou de imediato.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters