Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Mulher caminha em frente a mural que retrata o presidente russo Vladimir Putin e norte-americano Donald Trump na Sérvia 04/12/2016 REUTERS/Marko Djurica

(reuters_tickers)

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, irá se reunir na semana que vem com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, em uma cúpula na Alemanha que colocará frente a frente pela primeira vez dois líderes cujos destinos políticos se tornaram entrelaçados.

O Kremlin e a Casa Branca anunciaram nesta quinta-feira que os dois líderes irão se reunir num encontro separado durante a cúpula das nações do G20 em Hamburgo nos dias 7 e 8 de julho.

    O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, H.R. McMaster, disse a repórteres que nenhuma agenda foi definida para o encontro, que é repleto de dificuldades para Trump.

    Acusações de que a Rússia interferiu na eleição presidencial norte-americana do ano passado e conspirou com a campanha republicana ofuscaram a inesperada vitória do empresário e persistiram em seus cinco primeiros meses no cargo.

    A Rússia e os Estados Unidos também estão em desacordo sobre a Ucrânia, expansão da Otan e a guerra civil na Síria, onde Moscou apoia o presidente Bashar al-Assad.

    Trump tem frequentemente pedido melhores relações com a Rússia, mas parlamentares dentro de seu próprio partido, o Partido Republicano, estão pedindo cautela em relação a Moscou.

    “Como o presidente deixou claro, ele gostaria que os Estados Unidos e o Ocidente inteiro desenvolvessem uma relação mais construtiva com a Rússia, mas ele também deixou claro que irá fazer o que for necessário para confrontar o comportamento desestabilizador da Rússia”, disse McMaster. 

(Por Roberta Rampton)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters