Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Principal comandante militar dos Estados Unidos no Afeganistão, John Nicholson, durante coletiva de imprensa em Cabul 24/08/2017 REUTERS/Omar Sobhani

(reuters_tickers)

CABUL (Reuters) - O principal comandante militar dos Estados Unidos no Afeganistão disse nesta quinta-feira que a nova estratégia do presidente dos EUA, Donald Trump, é sinal de um compromisso de longo prazo com uma guerra que já é a mais longa do país, e exortou os insurgentes do Taliban a concordarem com conversas de paz.

"O Taliban não pode vencer no campo de batalha, é hora de eles se juntarem ao processo de paz", disse o general John Nicholson a repórteres na capital afegã, Cabul. "Não fracassaremos no Afeganistão, nossa segurança nacional também depende disso".

Críticos, entre eles o próprio Trump durante a campanha presidencial de 2016, argumentaram que o Afeganistão não está mais perto da paz apesar dos bilhões de dólares gastos no país e dos quase 16 anos de operações militares dos EUA e aliados.

Em fevereiro, Nicholson disse ao Congresso norte-americano que precisa de mais "alguns milhares" de soldados no Afeganistão, a maior parte para aconselhar as forças de segurança afegãs que combatem o Taliban, o Estado Islâmico e outros insurgentes islâmicos.

Trump aprovou recentemente uma presença norte-americana prolongada em solo afegão, embora nem ele nem seus líderes militares tenham dado detalhes sobre o número das tropas ou prazos.

A força atual dos EUA para a missão predominantemente de aconselhamento e assistência no Afeganistão é de cerca de 8.400 efetivos, bem menos que os 100 mil presentes durante a "arremetida" decidida pelo antecessor de Trump, Barack Obama.

Vários milhares de soldados adicionais vão ao país estrangeiro com frequência para missões "temporárias" ou incontáveis outras.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters