Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Manifestantes carregam cartaz contra racismo em resposta a ataque de carro em Charlottesville, em Oakland, Estados Unidos 12/08/2017 REUTERS/Stephen Lam

(reuters_tickers)

Por Stephanie Nebehay

GENEBRA (Reuters) - Especialistas de direitos humanos da ONU pediram nesta quarta-feira que os Estados Unidos e sua liderança condenem "incondicionalmente" discursos de racismo e crimes, advertindo que um fracasso em fazê-lo pode desencadear mais incidentes violentos.

O comunicado de "aviso prévio e ação urgente", reservado para situações sérias, foi emitido pelo Comitê de Eliminação da Discriminação Racial da ONU, e, por pouco, não criticou diretamente o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Trump foi alvo de críticas por ter responsabilizado ambos os lados pela violência em um protesto em Charlottesville organizado por neonazistas e nacionalistas brancos. Uma mulher, Heather Heyer, foi morta depois que um homem ligado aos nacionalistas brancos avançou com seu carro contra uma multidão de manifestantes de oposição aos supremacistas.

O comitê disse estar "perturbado com o fracasso no mais alto nível político" dos Estados Unidos em rejeitar demonstrações de racismo. Esse fracasso pode levar ao "abastecimento da proliferação de discursos e incidentes de racismo" nos Estados Unidos, disse o comunicado.

"Nós estamos alarmados pelas demonstrações de racismo, com slogans, músicas e saudações abertamente racistas, por nacionalistas brancos, neonazistas e pela Ku Klux Klan, promovendo a supremacia branca e incitando a discriminação racial e o ódio", disse Anastasia Crickley, presidente do comitê.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters