Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

WASHINGTON (Reuters) - O Comitê de Inteligência do Senado dos Estados Unidos se prepara para entrevistar o genro do presidente Donald Trump, Jared Kushner, como parte de sua investigação sobre os laços entre associados a Trump e autoridades russas.

Rebecca Glover Watkins, porta-voz do presidente do Comitê de Inteligência do Senado, Richard Burr, republicano da Carolina do Norte, confirmou que Kushner foi chamado.

Kushner, conselheiro de Trump durante sua campanha presidencial e na Casa Branca, seria a pessoa mais próxima do presidente a ser interrogado nas investigações do Congresso sobre o papel da Rússia nas eleições de 2016.

Pelo menos quatro comissões do Congresso estão investigando possíveis tentativas russas de influenciar a votação e quaisquer laços entre os associados de Moscou e Trump. O diretor do FBI, James Comey, confirmou a investigação do órgão na semana passada.

Uma autoridade da Casa Branca disse à Reuters que Kushner se ofereceu para falar ao Comitê de Inteligência do Senado, mas não recebeu confirmação.

A autoridade disse que Kushner foi o principal ponto de contato com governos e autoridades estrangeiras durante a campanha presidencial e a transição. Os membros da equipe de um presidente eleito se reúnem rotineiramente com russos ou outras autoridades estrangeiras.

O comitê do Senado quer perguntar a Kushner sobre duas reuniões organizadas com o embaixador russo Sergei Kislyak na Trump Tower, em Nova York, em dezembro, bem como uma reunião com o chefe do banco de desenvolvimento estatal russo.

O banco, Vnesheconombank, estava entre os bancos russos que sofreram sanção do governo Obama em 2014 depois que a Rússia anexou a Crimeia.

(Por Patricia Zengerle)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters