Por Alberto Fajardo Alexandra Valencia

QUITO (Reuters) - A capital do Equador amanheceu abalada no início do sábado, no décimo dia de turbulência causada pelo plano de austeridade do presidente Lenin Moreno, com os mercados locais fechados e a polícia disparando gás lacrimogêneo contra manifestantes reunidos em frente ao Parlamento do país.

No início da tarde deste sábado, as autoridades aeroportuárias do Equador informaram que o acesso ao aeroporto internacional de Quito está bloqueado.

As ruas do centro de Quito pareciam uma zona de guerra. Fumaça de gás lacrimogêneo nublava as ruas cheias de tijolos e pequenos incêndios, enquanto grupos de pessoas se amontoavam atrás de muros e barricadas improvisadas para proteção.

Grupos de direitos humanos e manifestantes denunciam a repressão policial e instam as autoridades a emitir restrições. A polícia disse no Twitter no sábado que os protestos não eram pacíficos.

Os confrontos eclodiram antes do início programado do último protesto para exigir que Moreno revogasse uma lei aprovada na semana passada, encerrando um subsídio de combustível de quatro décadas. A mudança legal é considerada parte essencial de seus esforços para conter o déficit fiscal equatoriano, depois de assinar um contrato de empréstimo de US $ 4,2 bilhões com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Moreno se recusou repetidamente a derrubar a medida, e os organizadores do protesto rejeitaram sua proposta de negociações diretas como uma tentativa de dividir grupos indígenas que lideraram os protestos nos últimos dias.

Quase 20 mercados de alimentos em Quito fecharam suas portas devido à ameaça de violência, segundo a Agência Distrital de Coordenação de Varejo, que representa os mercados da cidade.

Fora do distrito histórico de Quito, o principal centro de conflito, as ruas estavam vazias e as lojas fechadas nos distritos norte e sul da cidade, disse uma testemunha da Reuters.

Os manifestantes estão furiosos com o que eles descreveram como ataques desproporcionalmente violentos pela polícia. Enquanto os organizadores do protesto produziam vídeos mostrando manifestantes feridos, o governo de Moreno permaneceu em grande parte silencioso. Abruptamente, cancelou uma entrevista coletiva programada no sábado.

Moreno afirmou que as autoridades enfrentaram atos extremos de violência e acusou, sem provas, o presidente venezuelano Nicolas Maduro e o ex-presidente equatoriano Rafael Correa de enviar pessoas para agitar os protestos. Maduro e Correa negam as acusações.

Na sexta-feira, depois que Moreno propôs conversas diretas com organizadores de protestos pela primeira vez, a polícia disparou gás lacrimogêneo contra uma multidão de manifestantes que se reuniram pacificamente na Assembléia Nacional, segundo testemunhas contaram à Reuters. Os confrontos no prédio se prolongaram após a meia-noite da sexta-feira e foram retomados novamente horas depois, no início do sábado.

Pelo menos quatro pessoas foram mortas nos distúrbios e centenas foram feridas e presas.

Poços de petróleo foram fechados por manifestantes em partes do país, restringindo a produção de mais de 1 milhão de barris de petróleo até agora, informou o Ministério da Energia no sábado. Uma mina de cobre de propriedade chinesa anunciou que estava temporariamente limitando suas operações como medida de precaução.

As Nações Unidas reiteraram sua oferta para ajudar a mediar o conflito. "Estamos prontos para apoiar um processo eficiente e inclusivo para gerar soluções duradouras para o desenvolvimento e a paz no país", disse a agência da ONU no Equador no Twitter.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.