Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Manifestante de oposição durante confronto com a polícia em Nairóbi, no Quênia 26/10/2017 REUTERS/Goran Tomasevic

(reuters_tickers)

Por Maggie Fick

KISUMU, Quênia (Reuters) - Apoiadores da oposição do Quênia entraram em confronto com a polícia e colocaram fogo em barricadas montadas nas ruas, nesta quinta-feira, para contestar a repetição de uma eleição que deve reconduzir Uhuru Kenyatta à Presidência da principal potência econômica e política do leste da África.

Em Kisumu, cidade do oeste do país, jovens que atenderam a um pedido de boicote dos eleitores feito pelo líder opositor Raila Odinga atiraram pedras e foram recebidos com tiros de munição real, gás lacrimogêneo e canhões de água.

Um manifestante morreu e três ficaram feridos, segundo uma enfermeira local. A Reuters não encontrou nenhuma zona eleitoral aberta.

Batalhões de choque patrulhavam Kibera e Mathare, duas favelas de Nairóbi, e de manhã cedo manifestantes atearam incêndios em Kibera. Quase 50 pessoas foram mortas por forças de segurança desde a votação original de agosto, que Kenyatta venceu, mas que foi anulada pela Suprema Corte devido a irregularidades processuais.

A eleição está sendo acompanhada atentamente em todo o leste da África, que conta com o Quênia como polo comercial e logístico, e no Ocidente, que considera Nairóbi um anteparo contra a militância islâmica da Somália e os conflitos civis no Sudão do Sul e Burundi.

Embora tenham surgido tensões em alguns bastiões da oposição, em outras áreas a situação estava calma.

O ministro do Interior, Fred Matiang'i, disse à Citizen TV que as zonas eleitorais abriram em quase 90 por cento do país, incluindo Kiambu, onde Kenyatta votou.

"Estamos solicitando a eles (eleitores) humildemente que compareçam em grandes números", disse Kenyatta depois de depositar seu voto. "Estamos cansados, como país, de campanhas eleitorais, e acho que é hora de seguir em frente".

Se alguns condados não conseguirem realizar eleições pode haver contestações legais à reprise eleitoral e uma instabilidade de longo prazo na nação, já dividida por conflitos étnicos profundos.

Na quarta-feira, a Suprema Corte deveria julgar um pedido de adiamento da votação, mas não conseguiu se reunir porque cinco dos sete juízes não compareceram.

"A falta de quorum é altamente incomum para uma audiência da Suprema Corte e despertou sérias dúvidas entre os acionistas quenianos, inclusive sobre uma possível interferência política", disse um comunicado da União Europeia.

(Reportagem adicional de Katharine Houreld, Duncan Miriri, David Lewis e John Ndiso em Nairóbi e Joseph Akwiri em Mombaça)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters