Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Aaron Ross

KINSHASA (Reuters) - O Ministério da Saúde da República Democrática do Congo aprovou o uso de uma nova vacina contra o Ebola para combater uma epidemia no nordeste do país que já matou quatro pessoas, informou um porta-voz nesta segunda-feira.

"A não-objeção foi dada. Agora há uma equipe dos Médicos Sem Fronteiras que está chegando (ao Congo) hoje para validar o protocolo com as equipes técnicas", disse Jonathan Simba, um porta-voz do Ministério da Saúde, por telefone.

    A vacina, conhecida como rVSV-ZEBOV e desenvolvida pela Merck, ainda não foi licenciada, mas se mostrou altamente eficaz contra o Ebola em testes clínicos publicados em dezembro.

    Até sexta-feira o Congo havia registrado um total de 52 casos suspeitos, incluindo dois que foram confirmados, disse o porta-voz da Organização Mundial da Saúde (OMS) no Congo, Eugene Kabambi, por telefone, acrescentando que a situação parece estar sob controle.

    Simba disse que os detalhes da campanha de vacinação serão anunciados após uma reunião do Ministério da Saúde e seus parceiros.

    O porta-voz da OMS, Tarik Jasarevic, disse em Genebra que a vacinação será acionada "se um caso de EVD (vírus da doença Ebola, na sigla em inglês) confirmado em laboratório possa ser identificado fora das cadeias de transmissão já definidas".

    Neste caso, ela será oferecida "a contatos e contatos de contatos de um caso confirmado de EVD, incluindo agentes de saúde e técnicos de laboratório em campo", disse Jasarevic.

    Uma campanha de vacinação apresentaria desafios logísticos nas florestas do nordeste isolado do Congo, entre eles o transporte e o armazenamento em recipientes especiais à temperatura exigida de menos 80 graus Celsius.

    (Reportagem adicional de Stephanie Nebehay, em Genebra)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters