Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Mulher observa reportagem sobre lançamento de míssil da Coreia do Norte em Tóquio, no Japão REUTERS/Issei Kato

(reuters_tickers)

Por Jack Kim e Kaori Kaneko

SEUL/TÓQUIO (Reuters) - A Coreia do Norte disparou um segundo míssil no Oceano Pacífico que sobrevoou o Japão nesta sexta-feira, disseram autoridades sul-coreanas e japonesas, aprofundando a tensão na esteira do sexto e mais poderoso teste de bomba nuclear de Pyongyang.

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) deve se reunir mais tarde nesta sexta-feira para debater o lançamento a pedido dos Estados Unidos e do Japão, disseram diplomatas.

O míssil sobrevoou Hokkaido, no norte japonês, e caiu no Pacífico cerca de 2 mil quilômetros ao leste, afirmou o secretário-chefe do gabinete japonês, Yoshihide Suga, aos repórteres.

O projétil alcançou uma altitude de cerca de 770 quilômetros e voou durante cerca de 19 minutos sobre aproximadamente 3.700 quilômetros, de acordo com os militares da Coreia do Sul –longe o suficiente para atingir o território norte-americano de Guam, no Pacífico, que Pyongyang já ameaçou.

Em 29 de agosto o regime lançou um míssil balístico de alcance intermediário, o Hwasong-12, que percorreu 2.700 quilômetros sobre o Japão.

"O alcance deste teste foi significativo, já que a Coreia do Norte demonstrou que pode alcançar Guam com este míssil", disse a União de Cientistas Interessados em um comunicado.

Mas o informe também disse que a precisão do míssil, ainda em fase inicial de desenvolvimento, é baixa.

Alertas sobre o míssil foram acionados perto das 7h locais em partes do norte do Japão, e muitos moradores receberam avisos em seus celulares ou viram alertas na televisão aconselhando-os a buscarem refúgio.

O secretário de Defesa dos EUA, Jim Mattis, disse que o disparo "obrigou milhões de japoneses a buscarem abrigo", embora os residentes do norte japonês tenham parecido manter a calma e seguir suas rotinas após o segundo lançamento do tipo em menos de um mês.        

Pouco após o disparo, os militares norte-americano afirmaram terem detectado um único míssil balístico de alcance intermediário, mas que este não representa uma ameaça à América do Norte ou a Guam, situado a 3.400 quilômetros da Coreia do Norte.

Autoridades dos EUA reafirmaram o compromisso inabalável de Washington com a defesa de seus aliados. O secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, pediu "novas medidas" contra os norte-coreanos e disse que as "provocações contínuas só aprofundam o isolamento diplomático e econômico da Coreia do Norte".

O presidente sul-coreano, Moon Jae-in, disse que um diálogo com o vizinho é impossível neste momento.

      (Reportagem adicional de William Mallard, Tim Kelly e Chehui Peh em Tóquio, Mohammad Zargham, Susan Heavey e David Brunnstrom em Washington e Phil Stewart em Nebraska)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters