Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Membros do Conselho de Segurança da ONU votam resolução sobre a atual crise no Iraque, na sede da ONU, em Nova York, nos Estados Unidos, nesta sexta-feira. 15/08/2014 REUTERS/Carlo Allegri

(reuters_tickers)

Por Michelle Nichols e Louis Charbonneau

NAÇÕES UNIDAS (Reuters) - O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) puniu militantes islâmicos no Iraque e na Síria nesta sexta-feira, colocando seis pessoas, incluindo o porta-voz do Estado Islâmico, em uma lista negra e ameaçando sanções contra aqueles que financiam, recrutam ou fornecem armas aos insurgentes.

O conselho de 15 membros adotou por unanimidade a resolução, que almeja enfraquecer o Estado Islâmico, grupo dissidente da Al Qaeda que tomou vastas porções de territórios iraquiano e sírio e declarou um califado, e a Frente Al Nusra, braço da Al Qaeda na Síria.

O Estado Islâmico está na lista negra do Conselho de Segurança há tempos, e a Al Nusra foi acrescentada no começo deste ano. Os dois grupos estão incluídos no regime de sanções da ONU à Al Qaeda.

A resolução desta sexta-feira nomeou seis pessoas que serão sujeitas a uma proibição internacional de viagens, ao congelamento de bens e ao embargo de armas, entre eles o porta-voz do Estado Islâmico, Abu Muhammad al-Adnani, iraquiano descrito por especialistas da ONU como um dos “emires mais influentes” e próximo de seu líder, Abu Bakr al Baghdadi.

O avanço rápido e brutal do Estado Islâmico rumo às fronteiras da região curda semiautônoma do Iraque e a Bagdá desencadeou os primeiros ataques aéreos dos Estados Unidos no país desde a retirada das tropas norte-americanas em 2011.

A resolução do conselho “deplora e repudia nos termos mais fortes os atos terroristas do Estado Islâmico e sua ideologia extremista violenta, assim como seus abusos flagrantes, sistemáticos e disseminados dos direitos humanos e suas violações das leis humanitárias internacionais”.

O órgão também listou Said Arif, ex-militar do Exército argelino que escapou da prisão domiciliar na França em 2013 e se juntou à Frente Al Nusra na Síria, e Abdul Mohsen Abdallah Ibrahim al-Charekh, da Arábia Saudita, classificado como “destacado terrorista e propagandista na Internet” que chefia a Al Nusra no distrito sírio de Latakia.

Hamid Hamad Hamid al-Ali e Hajjaj bin Fahd al-Ajmi, ambos do Kuweit, receberam sanções por supostamente fornecerem apoio financeiro à Frente Al Nusra. O levantamento de fundos de Ajmi inclui pelo menos uma campanha no Twitter, segundo especialistas da ONU. O saudita Abdelrahman Mouhamad Zafir al Dabidi al Jahani foi citado por se encarregar das redes de combatentes estrangeiros da Al Nusra.

A resolução condena o recrutamento de combatentes estrangeiros e expressa disposição para incluir em sua lista negra pessoas que financiam ou facilitam suas viagens, além de verbalizar a preocupação de que a renda gerada dos campos de petróleo capturados pelos dois grupos sejam usadas para organizar ataques.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters