Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Reunião do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas na sede da ONU em Nova York, nos Estados Unidos 12/04/2017 REUTERS/Stephanie Keith

(reuters_tickers)

Por Michelle Nichols

NAÇÕES UNIDAS (Reuters) - O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) voltará pela primeira vez suas atenções para a crescente crise na Venezuela nesta quarta-feira, depois que os Estados Unidos pediram uma reunião a portas fechadas sobre as semanas de instabilidade no país sul-americano, marcadas por protestos antigoverno.

Centenas de milhares de pessoas foram às ruas do país de 30 milhões de habitantes para protestar contra a escassez de alimentos, crise médica e inflação exorbitante, e ao menos 42 pessoas morreram durante as últimas semanas em decorrência da turbulência.

Os manifestantes cobram a realização de eleições, a libertação de ativistas presos, o recebimento de ajuda internacional para aliviar a crise econômica e a autonomia para o Legislativo, que é controlado pela oposição.

Uma autoridade norte-americana de alto escalão deve fazer uma apresentação sobre o quatro venezuelano aos 15 membros do Conselho de Segurança.

Uma autoridade de alto escalão da ONU para assuntos políticos fará uma exposição sobre a situação aos 15 membros do Conselho de Segurança.

"Na Venezuela estamos à beira de uma crise humanitária", disse a embaixadora dos EUA para a ONU, Nikki Haley, em comunicado antes da reunião.

"Pelo bem do povo venezuelano, e a segurança da região, nós precisamos trabalhar juntos para garantir que (o presidente Nicolás) Maduro acabe com a violência e a opressão e restaure a democracia ao povo", disse ela.

Maduro culpa a oposição pela crise no país e pelas mortes, que atingiram os dois lados do conflito. Ele acusa seus adversário de tentarem derrubá-lo em um golpe com o apoio dos Estados Unidos.

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters