Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Chanceler da Alemanha, Angela Merkel, em Bruxelas. 09/03/2017 REUTERS/Francois Lenoir

(reuters_tickers)

BERLIM (Reuters) - O bloco conservador da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, manteve a liderança sobre o Partido Social-Democrata (SPD), de centro-esquerda, em uma pesquisa de intenção de voto divulgada nesta sexta-feira, seis meses antes das eleições, mas a oposição obteve o maior apoio no levantamento em quase cinco anos.

Os conservadores ficaram firmes com seus 34 por cento de apoio, mas o SPD ganhou 2 pontos percentuais e chegou a 32 por cento, mostrou o levantamento feito pela empresa Forschungsgruppe Wahlen para a emissora ZDF.

Merkel e Martin Schulz, candidato do SPD que melhorou as perspectivas de sua legenda desde que foi indicado em janeiro, estão empatados no quesito popularidade pessoal, ambos com 44 por cento de apoio.

Em fevereiro a mesma pesquisa mostrou que 49 por cento dos alemães querem que Schulz, ex-presidente do Parlamento Europeu, se torne chanceler, e que 38 por cento preferem que Merkel permaneça no cargo.

O SPD vem aparecendo atrás dos conservadores há anos, mas Schulz revigorou o partido prometendo lidar com a justiça social e revisar as reformas do mercado de trabalho adotadas pelo ex-chanceler Gerhard Schroeder, do SPD, mais de uma década atrás.

A sondagem revelou que o partido anti-imigrante Alternativa para a Alemanha perdeu um ponto percentual e ficou com 9 por cento das intenções, mas ainda está a caminho de se tornar a terceira maior legenda do parlamento.

A pesquisa colocou o partido de extrema esquerda Linke com 8 por cento, os ambientalistas dos Verdes com 7 por cento e o pró-empresariado Free Democrats com 5 por cento das intenções de voto.

Foram entrevistadas 1.212 pessoas entre os dias 7 e 9 de março.

(Por Michelle Martin)

Reuters