Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

MUNIQUE, Alemanha (Reuters) - Líderes da União Democrata-Cristã (CDU), partido da chanceler alemã, Angela Merkel, e de seu parceiro na região da Baviera vão se reunir em 8 de outubro para debater a formação de uma coalizão futura com outros partidos em consequência dos resultados da eleição de domingo, disseram fontes dos conservadores.

Maior economia da Europa, a Alemanha pode enfrentar meses de incerteza agora que os conservadores de Merkel perderam espaço no Parlamento para o partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha (AfD), apesar de terem assegurado um quarto mandato.

A União Social-Cristã da Baviera (CSU) indicou que quer uma guinada à direita para focar na segurança e no limite à imigração, e assim conter o apelo do AfD entre seus eleitores.

Essa postura pode dificultar as esperanças de Merkel de formar uma coalizão tripartite entre seus conservadores, o Partido Democrático Liberal, pró-mercados, (FDP) e os ambientalistas dos Verdes.

Os Verdes são decididamente pró-imigração, e a própria chanceler vem resistindo a estabelecer um teto para a entrada de imigrantes no país.

Não se espera muita movimentação para montar uma coalizão antes da eleição de 15 de outubro no Estado da Baixa Saxônia, hoje administrado pelo Partido Social-Democrata (SPD) --até agora parceiro de Merkel no governo, mas que anunciou que irá para a oposição na esfera nacional-– e pelos Verdes.

Em sua reunião, o bloco CDU/CSU tentará encontrar posições comuns antes de quaisquer conversas exploratórias com o FDP e os Verdes, disseram as fontes dos conservadores à Reuters. Qualquer sinal de progresso será bem-vindo para os investidores.

(Por Joern Poltz)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters