Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Primeia-ministra escocesa, Nicola Sturgeon 21/04/2017 REUTERS/Russell Cheyne

(reuters_tickers)

EDIMBURGO (Reuters) - Quase metade dos eleitores escoceses não quer outro referendo sobre a independência do Reino Unido, e o tema parece estar angariando apoio para os conservadores em uma eleição marcada para junho, de acordo com uma pesquisa do instituto YouGov publicada no jornal The Times nesta sexta-feira.

A pesquisa também mostrou que o Partido Conservador da primeira-ministra britânica, Theresa May, deve conquistar mais cadeiras na Escócia na próxima eleição do que nas últimas décadas, chegando a oito assentos graças ao sete que deve tirar do Partido Nacional Escocês (SNP, na sigla em inglês) da premiê escocesa, Nicola Sturgeon.

    O levantamento também revelou um recuo nos índices de aprovação da própria Sturgeon, que comanda o governo escocês autônomo.

    Ela vem argumentando que o referendo de independência é necessário porque seus compatriotas votaram a favor da permanência do Reino Unido na União Europeia em junho e agora são obrigados a lidar com o processo de desfiliação, o chamado Brexit.

    Mas 49 por cento dos escoceses são contra a convocação de uma consulta entre o outono local de 2018 e a primavera de 2019 --o cronograma proposto pela premiê. Cerca de 37 por cento apoiam esse cronograma, e 14 por cento o rejeitam.

    A YouGov mostrou que os conservadores estão ganhando ímpeto, já que estão se tornando o partido preferido daqueles que defendem um Reino Unido ao invés da independência escocesa.

    Mesmo assim o SNP de Sturgeon deve se manter facilmente como o maior partido representante da Escócia, com 49 das 59 cadeiras designadas ao país no Parlamento nacional britânico de 650 assentos.

    Mas a sondagem feita com 1.017 pessoas entre 24 e 27 de abril também indicou que o líder do SNP em Westminster, Angus Robertson, irá perder sua vaga na região escocesa de Moray pela primeira vez desde 2001.

    (Por Elisabeth O'Leary e James Davey)

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters