Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

BERLIM (Reuters) - O partido conservador da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, passou à frente do concorrente Partido Social-Democrata (SPD) na Renânia do Norte-Vestfália, populosa região do oeste do país, antes de uma votação decisiva no Estado no domingo, mostrou uma pesquisa de intenção de voto.

A sondagem do instituto YouGov para a emissora Sat.1 NRW, publicada nesta quinta-feira, mostra a União Democrata Cristã (CDU), de Merkel, com 31 por cento das preferências no Estado, e o SPD com 30 por cento.

Estas cifras indicam um aumento de 4 pontos percentuais para o CDU em relação à última quinzena, e uma queda de 6 pontos percentuais para o SPD.

Depois de sofrer derrotas humilhantes em duas outras eleições estaduais neste ano, o SPD precisa assegurar a Renânia do Norte-Vestfália para que seu novo líder nacional, Martin Schulz, ter chances reais de representar um desafio sério à tentativa de Merkel de se eleger para um quarto mandato no comando da economia mais importante da Europa.

A Alemanha realiza uma eleição nacional no dia 24 de setembro.

Historicamente as eleições na Renânia do Norte-Vestfália, que abriga cerca de um terço das empresas alemãs de ponta e também a região do cinturão da ferrugem do Vale do Ruhr, acabam influenciando a política federal.

Em 2005, uma derrota esmagadora do SPD do então chanceler Gerhard Schroeder o levou a convocar uma eleição antecipada que ele perdeu para Merkel. 

Com mais de um quinto da população alemã total, o Estado é governado atualmente por uma aliança de inclinação à esquerda entre o SPD e os verdes, mas um recuo no apoio ao partido ambientalista provavelmente irá provocar o rompimento desta coalizão.

(Por Paul Carrel)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters