Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Bandeira norte-coreana na Missão Permanente da Coreia do Norte em Genebra. 02/10/2014 REUTERS/Denis Balibouse/File Photo

(reuters_tickers)

SEUL (Reuters) - A Coreia do Norte acusou a CIA e o serviço de inteligência da Coreia do Sul, nesta sexta-feira, de tramarem um ataque contra sua "liderança suprema" com uma arma bioquímica, e disse que tal "sonho impossível" jamais teria ter sucesso.

A tensão na península coreana está alta há semanas devido aos temores de que a Coreia do Norte possa realizar seu sexto teste nuclear ou lançar outro míssil balístico em desafio a resoluções do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).

Nesta semana o país recluso alertou que a hostilidade dos EUA colocou a região à beira de uma guerra nuclear.

O Ministério da Segurança Estatal norte-coreano emitiu um comunicado dizendo que "o esforço desesperado" dos "imperialistas" dos EUA e da Coreia do Sul "passou dos limites".

"A Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA) e o Serviço de Inteligência da Coreia do Sul (IS), celeiros dos males do mundo, conceberam uma complô malévolo para ferir a liderança suprema da RPDC, e estes atos foram colocados na fase extremamente séria de implementação depois de ultrapassarem os limites da RPDC", disse o comunicado, segundo a agência de notícias KCNA, usando a sigla do nome oficial do país, República Popular Democrática da Coreia.

"Um grupo horrível de terroristas, que a CIA e o IS infiltraram na RPDC com base em preparativos secretos e meticulosos para cometer terrorismo com patrocínio estatal contra a liderança suprema da RPDC usando uma substância bioquímica, foi detectado recentemente".

A embaixada dos EUA em Seul e o Serviço Nacional de Inteligência (NIS) sul-coreano não estavam disponíveis de imediato para comentar. Os militares norte-americanos disseram que o diretor da CIA, Mike Pompeo, visitou a Coreia do Sul nesta semana e se encontrou com o direto do NIS.

A KCNA disse que os dois serviços de inteligência são "ideologicamente corruptos", subornaram um norte-coreano de sobrenome Kim e o transformaram em "um terrorista cheio de repugnância e vingança contra a liderança suprema da RPDC".

"Eles conceberam um complô para deixar a escória humana Kim cometer terrorismo com bomba visando a liderança suprema durante eventos no Palácio do Sol Kumsusan e no desfile militar e na procissão pública após sua volta para casa", disse a KCNA.

A Coreia do Norte realizou um desfile militar anual acompanhado pelo líder Kim Jong Un e seus principais assessores em 15 de abril e um exercício de artilharia 10 dias depois.

(Por Nick Macfie)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters