Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Líder norte-coreano, Kim Jong Un, com especialistas nucleares 03/09/2017 KCNA via REUTERS

(reuters_tickers)

Por Christine Kim e Christian Shepherd

SEUL/PEQUIM (Reuters) - A Coreia do Norte aparentemente reforçou as defesas em sua costa leste, disse a agência de notícias sul-coreana Yonhap nesta terça-feira, depois de o regime norte-coreano afirmar que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, declarou guerra ao país e que derrubaria bombardeiros norte-americanos que estivessem sobrevoando perto da península coreana.

As tensões aumentaram desde que a Coreia do Norte conduziu seu sexto e mais poderoso teste nuclear no dia 3 de setembro, e a retórica atingiu um novo nível nos últimos dias, com líderes de ambos os lados trocando ameaças e insultos.

O ministro de Relações Exteriores norte-coreano, Ri Yong Ho, disse que comentários de Trump no Twitter --nos quais o presidente alertou que o chanceler e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, “não estarão por perto muito mais tempo” se cumprirem suas ameaças-- equivalem a uma declaração de guerra e que Pyongyang tem o direito de tomar contramedidas.

A agência Yonhap sugeriu que a reclusa Coreia do Norte está reforçando suas defesas movendo aeronaves para sua costa leste e tomando outras medidas depois que bombardeiros norte-americanos sobrevoaram uma área perto da península coreana durante o fim de semana.

A reportagem da Yonhap, não confirmada pela Reuters, disse que aparentemente os Estados Unidos revelaram a rota do voo dos bombardeiros intencionalmente porque a Coreia do Norte parecia estar desinformada.

O Serviço Nacional de Inteligência da Coreia do Sul não estava disponível de imediato para confirmar a informação sobre o reforço das defesas da Coreia do Norte.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters