Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, durante parada militar em Pyongyang. 15/04/2017 REUTERS/Damir Sagolj

(reuters_tickers)

SEUL (Reuters) - A Coreia do Norte exigiu nesta sexta-feira a extradição do chefe de inteligência da Coreia do Sul, o acusando de estar por trás de uma conspiração para assassinar o líder norte-coreano, Kim Jong Un, com uma arma bioquímica.

A KCNA, agência de notícias estatal norte-coreana, acusou na última semana a CIA e o Serviço Nacional de Inteligência (NIS) sul-coreano de organizar um plano para assassinar sua "liderança suprema" com uma arma bioquímica.

A acusação veio após semanas de tensão sobre o desenvolvimento de mísseis e armas nucleares pela Coreia do Norte e temores de que o país vai conduzir um sexto teste nuclear ou de lançamento de míssil balístico, desafiando resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

A Coreia do Norte exigiu na quinta-feira a entrega de "suspeitos terroristas" envolvidos na conspiração mas não identificou nenhuma pessoa.

Nesta sexta-feira, a Promotoria-Central disse em comunicado divulgado pela agência de notícias estatal, KCNA, que os responsáveis incluíam o chefe do serviço de inteligência da Coreia do Sul, Lee Byung-ho, duas autoridades sul-coreanas e um homem chinês.

"Nós exigimos que as autoridades relevantes detectem, prendam e entreguem imediatamente para a Coreia do Norte os responsáveis pelo hediondo crime apoiado pelo Estado, cúmplices e seus seguidores", disse a Promotoria.

(Reportagem de Ju-min Park; reportagem adicional de Michelle Nichols na ONU)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters