Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, acompanha lançamento de míssil balístico intercontinental 29/07/2017 KCNA via Reuters

(reuters_tickers)

WASHINGTON/SEUL (Reuters) - A Coreia do Norte está trabalhando em planos para um ataque com mísseis próximo ao território norte-americano de Guam, no Pacífico, chamando o alerta de “fogo e fúria” do presidente Donald Trump de uma “abundância de tolice” e que somente “força absoluta pode funcionar sobre ele”.

A agência de notícias estatal de Pyongyang, KCNA, emitiu uma atualização sobre os planos de ataque da Coreia do Norte após os comentários incendiários de Trump na terça-feira de que ameaças de Pyongyang aos Estados Unidos seriam respondidas com “fogo e fúria”.

Os comentários inesperados de Trump fizeram com que a Coreia do Norte dissesse estar considerando planos de disparar quatro mísseis de alcance intermediário para aterrissarem de 30 a 40 quilômetros de Guam, lar de cerca de 163 mil pessoas e de uma base militar norte-americana que inclui um esquadrão de submarinos, uma base aérea e um grupo da guarda costeira.

    O Exército irá completar seus planos em meados de agosto, pronto para ordem do líder norte-coreano, Kim Jong Un, relatou a KCNA nesta quarta-feira, citando o general Kim Rak Gyom, comandante da Força Estratégica do Exército Popular da Coreia.

A agência de notícias relatou que Trump “expôs uma abundância de tolices sobre ‘fogo e fúria’”, acrescentando que “diálogos não são possíveis com tal sujeito destituído de razão e somente força absoluta pode funcionar sobre ele”.

    O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Jim Mattis, emitiu uma dura advertência anteriormente nesta quarta-feira, dizendo a Pyongyang que os EUA e seus aliados irão vencer qualquer corrida armamentista ou conflito.

    "A RPDC deve cessar qualquer consideração de ações que irão levar ao fim de seu regime e à destruição de seu povo”, disse Mattis em comunicado, usando a sigla para o nome oficial da Coreia do Norte, República Popular Democrática da Coreia.

Os Estados Unidos e a Coreia do Sul continuam tecnicamente em guerra com a Coreia do Norte após o conflito coreano de 1950 a 1953 terminar com um armistício, e não um tratado de paz. A Coreia do Norte frequentemente ameaça destruir os EUA. 

(Por Doina Chiacu, Idrees Ali e Christine Kim)

Reuters