Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

SEUL (Reuters) - O líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, disse neste domingo, que o isolado país, que detém tecnologia nuclear, está perto de testar o lançamento de um míssil balístico intercontinental (ICBM, na sigla em inglês).

A Coreia do Norte testou mísseis balísticos em um ritmo inédito ao longo de 2016, embora alguns especialistas tenham afirmado que o país está há anos de desenvolver um míssil intercontinental capaz de levar uma ogiva nuclear até os Estados Unidos.

"A pesquisa e desenvolvimento de equipamentos e armas de ponta está progredindo ativamente e a preparação do teste de um foguete de lançamento ICBM está em seu último estágio", disse Kim durante um discurso televisionado de Ano Novo.

O país tem enfrentado sanções das Nações Unidas desde 2006 por seus testes nucleares e de mísseis balísticos. As sanções aumentaram no mês passado, após Pyongyang conduzir seu quinto e maior teste nuclear em 9 de setembro.

O sucesso nos testes para lançamento de um míssil ICBM marcaria um significante avanço para o programa secreto de armas da Coreia do Norte. Esses mísseis possuem um alcance mínimo de cerca de 5,5 mil quilômetros, mas alguns são desenvolvidos para viajar 10 mil quilômetros ou mais. O Estado da Califórnia, nos EUA, está a cerca de 9 mil quilômetros da Coreia do Norte.

Mas a Coreia do Norte tem sofrido para desenvolver adequadamente seu míssil de alcance intermediário Musudan, que teve sucesso em apenas uma das oito tentativas de lançamento no ano passado.

O Musudan é desenvolvido para um alcance de cerca de 3 mil km, o que o coloca como uma ameaça à Coreia do Sul e ao Japão, e possivelmente para o território norte-americano de Guam.

(Por Tony Munroe, Jack Kim e Nataly Pak)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters