Reuters internacional

Dois bombardeiros B-1B Lancer sobrevoam Wyoming. Steve Thurow/Força Aérea dos Estados Unidos/Divulgação via REUTERS

(reuters_tickers)

Por Ju-min Park e Ben Blanchard

SEUL/PEQUIM (Reuters) - A Coreia do Norte acusou os Estados Unidos nesta terça-feira de levaram a península coreana para a beira de uma guerra nuclear depois que dois bombardeiros estratégicos norte-americanos realizaram exercícios de treinamento com as forças aéreas da Coreia do Sul e do Japão, em mais uma demonstração de força dos EUA na região.

As duas aeronaves supersônicas B-1B Lancer foram mobilizadas em meio à crescente tensão sobre o desenvolvimento dos programas nuclear e de míssil da Coreia do Norte em desafio a sanções da ONU e a pressão dos Estados Unidos.

O voo das duas aeronaves na segunda-feira veio enquanto o presidente norte-americano, Donald Trump, disse que ficaria "honrado" em encontrar o líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, nas circunstâncias corretas, e enquanto o diretor da CIA aterrissou na Coreia do Sul para conversas.

O porta-voz do Ministério da Defesa da Coreia do Sul, Moon Sang-gyun, disse em uma coletiva de imprensa em Seul que o exercício conjunto de segunda-feira foi conduzido para desencorajar provocações da Coreia do Norte.

A Coreia do Norte disse que as aeronaves conduziram um "exercício de lançamento de bomba nuclear contra objetos importantes" em seu território, em um momento em que Trump e "outros militaristas norte-americanos estão pedindo para fazer um ataque nuclear preventivo" na Coreia do Norte.

"A imprudente provocação militar está empurrando a situação da península coreana para a beira de uma guerra nuclear", informou a agência de notícias oficial da Coreia do Norte, KCNA, nesta terça-feira.

(Reportagem adicional de James Pearson em Seul e Ayesha Rascoe em Washington)

Reuters

 Reuters internacional