Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Jack Kim
SEUL (Reuters) - A Coreia do Norte disse que a Coreia do Sul irá "pagar caro" por ter disparado na terça-feira contra um barco de patrulha norte-coreano, num incidente que agrava a tensão entre os dois países.
A ameaça, publicada no diário estatal Rodong Sinmun, ocorre em meio a relatos de que funcionários de ambos os lados teriam se reunido recentemente para discutir uma possível cúpula entre seus líderes, mas sem chegar a um acordo.
O breve confronto naval de terça-feira foi o primeiro em sete anos, lembrando ao mercado financeiro da ameaça que a Coreia do Norte representa para uma região que responde por um sexto da economia global.
"Belicistas que gostam de brincar com fogo com certeza pagarão caro", disse editorial do Rodong, acrescentando que o regime comunista vinha tomando medidas para atenuar a tensão e forjar uma cooperação com o Sul, e que "a situação geral da península coreana ruma para uma resolução dos problemas por meio do diálogo".
"O confronto armado no mar do Oeste (mar Amarelo) não foi um acidente, e sim um ato premeditado de agressão pelos militares do Sul em busca de intensificar as tensões na península coreana."
Potências regionais tentam atualmente atrair a Coreia do Norte de volta para as negociações multilaterais a respeito do seu programa de armas nucleares. A secretária norte-americana de Estado, Hillary Clinton, disse que o incidente não irá afetar a disposição dos EUA para enviar à região seu representante especial Stephen Bosworth.
A Coreia do Norte habitualmente usa ações militares para ganhar espaço na pauta de eventos diplomáticos, e recentemente provocou alarme ao anunciar a produção de mais plutônio passível de uso em armas nucleares. Ao mesmo tempo, o regime busca um diálogo direto com Washington.
A Coreia do Sul diz que uma incursão de um barco de patrulha norte-coreano em suas águas territoriais desencadeou o incidente, numa região fronteiriça onde houve dois confrontos letais na última década.
Desta vez ao houve vítimas no lado sul-coreano, que teve um navio perfurado por disparos. O barco de patrulha da Coreia do Norte aparentemente ficou muito danificado.
As duas Coreias permanecem tecnicamente em guerra, já que o conflito travado entre 1950 e 1953 terminou apenas com um armistício, e não com um acordo de paz.

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters