Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Equipes de resgate removem destroços, após deslizamento de lama na cidade de Regent, na Serra Leoa REUTERS/Ernest Henry

(reuters_tickers)

Por Kieran Guilbert

DACAR (Thomson Reuters Foundation) - Quando a assistente humanitária Idalia Amaya chegou ao local de um deslizamento de terra que devastou Freetown, capital de Serra Leoa, ficou horrorizada ao ver casas arrastadas, vilarejos inteiros soterrados pela lama e corpos flutuando por ruas alagadas.

"Os corpos simplesmente desciam pelos córregos... muitas pessoas choravam e gemiam", disse Amaya, coordenadora de reação de emergência dos Serviços de Assistência Católicos (CRS, na sigla em inglês).

"Foi uma visão horrível – foi devastador", disse a norte-americana à Thomson Reuters Foundation, por telefone, nesta quarta-feira, dois dias depois de testemunhar os resultados fatais da tragédia.

A encosta de uma montanha desmoronou na manhã de segunda-feira sobre a cidade de Regent, subúrbio de Freetown, soterrando dezenas de residências enquanto as pessoas dormiam e matando ao menos 400 delas.

Mulheres e crianças foram as mais atingidas em um dos deslizamentos de terra mais letais na África em décadas.

Agentes de resgate encontraram 400 corpos até o momento, mas esse número deve ultrapassar os 500 à medida que as buscas continuam, disse Seneh Dumbuya, legista-chefe de Freetown, na terça-feira.

"A chance de se encontrar mais sobreviventes é de pouca a nenhuma", afirmou Amaya. "É muito difícil procurar na lama".

"Muitas das vítimas eram mulheres e crianças, já que os homens tinham saído cedo para trabalhar. É de partir o coração ver pais e maridos que perderam todos seus parentes".

Ao menos 3 mil pessoas ficaram desabrigadas e precisam urgentemente de alimento, abrigo e assistência de saúde, e 600 outras estão desaparecidas, de acordo com a Cruz Vermelha.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters