Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, participa de reunião da Otan em Bruxelas 25/05/2017 REUTERS/Kevin Coombs

(reuters_tickers)

Por Mica Rosenberg e Dan Levine

(Reuters) - Em um revés ao presidente Donald Trump, uma Corte de Apelações dos Estados Unidos se negou nesta quinta-feira a restabelecer o banimento temporário de viagens para pessoas de seis países de maioria muçulmana, dando outro golpe à Casa Branca em uma disputa legal que provavelmente seguirá para a Suprema Corte.

A decisão, escrita pelo juiz-chefe Roger Gregory, descrevia o decreto presidencial de Trump em termos fortes, dizendo que o decreto usa “vagas palavras sobre segurança nacional, mas em contexto goteja intolerância religiosa, hostilidade e discriminação”.

Em uma decisão de 10 contra 3, a maioria dos juízes do 4º Circuito da Corte de Apelações dos EUA informou que os contestadores do banimento – que incluem grupos de refugiados e indivíduos – são propensos a terem sucesso na reivindicação de que o decreto de Trump viola a Constituição dos EUA ao favorecer uma religião sobre outra.

Citando afirmações de Trump durante campanha presidencial pedindo um “banimento muçulmano”, Gregory escreveu que um observador sensato provavelmente iria concluir que o “propósito primário (do decreto) é excluir pessoas dos Estados Unidos com base em suas crenças religiosas”.

A corte de apelações estava revisando uma decisão de março feita pelo juiz federal Theodore Chuang, de Maryland, que bloqueou parte do decreto presidencial de Trump de 6 de março que barrava pessoas da Líbia, Irã, Somália, Sudão, Síria e Iêmen por 90 dias enquanto o governo colocava em vigor triagens de vistos mais rígidas.

Uma decisão similar de um juiz federal do Havaí contra a política de Trump ainda está em vigor e o 9º Circuito da Corte de Apelações dos EUA está revisando esta decisão.

A Casa Branca não comentou a decisão da corte de apelações.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters