Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Vista do Parlamento da Catalunha em Barcelona 5/10/2017 REUTERS/Yves Herman

(reuters_tickers)

Por Angus Berwick e Carlos Ruano

BARCELONA/MADRI (Reuters) - A corte constitucional espanhola ordenou, nesta quinta-feira, a suspensão de uma sessão do Parlamento da Catalunha prevista para segunda-feira, colocando em xeque os planos da região de declarar independência da Espanha.

A presidente do Parlamento catalão, Carme Forcadell, considerou que a decisão do tribunal "fere a liberdade de expressão e o direito de iniciativa dos membros desse Parlamento, e mostra mais uma vez como as cortes estão sendo usados para resolver problemas políticos", acrescentando que ainda não decidiu se a sessão será realizada ou não.

A ordem de suspensão agravou ainda mais uma das maiores crises políticas enfrentadas pela Espanha desde o restabelecimento da democracia no país, após a morte do general Francisco Franco, em 1975. Entretanto, a decisão ajudou os mercados espanhóis, afetados nos últimos dias pela incerteza.

A corte disse ter aceitado considerar uma petição apresentada pela legenda antiseparação Partido Socialista Catalão.

Ações e títulos espanhóis, que haviam sido atingidos pela crise política na Catalunha, ganharam força após a decisão da corte constitucional.

O ministro da Economia da Espanha, Luis de Guindos, disse à Reuters em entrevista que a turbulência estava prejudicando a Catalunha.

"Isso está gerando incerteza que está paralisando todos os projetos de investimento na Catalunha. Estou convencido de que, neste momento, nenhum investidor internacional ou nacional participará de um novo projeto de investimento até que isso seja resolvido", disse ele.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters